Coisas novas e do baú para quem curte e curtiu o som do grupo de SC

sábado, 12 de maio de 2007

Essa é a História de um Sapinho Diferente




O Daniel tinha uma música chamada ‘Flodoardo’, que contava a pequena historia de um sapinho que fumava maconha e que terminava preso. Nasceu de uma brincadeira dele com uns amigos numa mesinha de bar ainda nos tempos de Lages.
Sempre tocávamos essa musica ( em estilo ‘countrizão’) desde os primeiros shows. Até então não tínhamos gravado nenhuma música e muito menos o disco, mas mesmo assim ela havia se tornado conhecida no meio ‘underground-musical’ de Floripa lá pelo ano de 1982 /83.
Ninguém tinha intenção de gravá-la, mesmo porque, havia a menção das palavras ‘maconha’ e ‘bronha’ na letra, e naqueles tempos dos LPs ( que já expliquei no outro post), o limite ideal de músicas por disco era de 40 minutos. Ninguém podia desperdiçar preciosos minutos com a musica de um sapinho boca-quente.
Eis que então de brincadeira tocamos para o Técnico de gravação ( o Paulo Farat ou o Cacá ), e eles simplesmente alucinaram com a letra: “Quê? Vocês tem que gravar essa musica aí!!”
Explicamos o problema da censura e eis que ele vem com um belo método pra lá de moderno para burlar os ouvidos da dona Solange da censura ( a big boss da ditadura da liberdade de expressão da época ).
O estúdio tinha um aparelhozinho chamado Vocoder, que acabou sendo muito utilizado nos futuros discos new waves que estavam surgindo. O aparelhozinho transformava a voz em algo robótico, ou parecido com um teclado. Então... as palavras malditas acabaram disfarçadas atrás de um ‘wahwahwahwha...’
Mas ainda haviam os malfadados minutos que não podíamos estrapolar, por isso, a música acabou editada em uns míseros 1 ou 2 minutos.

Mas a felicidade durou pouco. A Dona Solange da Censura não era burra e ... CRAU!!! Censurou a tal música!!!.A solução foi lacrar o disco, para evitar a ‘radiodifusão’ e para que os inocentes não lessem a letra no encarte. Como ninguém podia se dar ao luxo de fazer uma outra capa de plástico, mandamos confeccionar as pressas um selinho, com um desenho do Sapinho algemado, e com os dizeres: Flodoardo: proibido pela censura. Passamos a noite colando aqueles selinhos, um a um.

Meses depois, ao fazermos o especial ‘Nas Manhãs do Sul do Mundo’ pela RBS TV, com todos os clips do disco, nos deparamos com o mesmo problema. Como mostrar a música ao publico. Eu e o Clóvis Medeiros ( chargista da época ) fizemos um desenho animado ( um ‘flash’ paleozóico ) com a música de fundo utilisando apenas a trilha instrumental, sem os vocais.



Os shows continuaram normalmente sem a famosa censura, e Flodoardo até se tornou uma celebridade anfíbia naqueles inocentes anos.



Obs – Na reedição em CD, a versão’ normal’ vem como bônus, junto com a censurada


Paulo Back


2 comentários:

Silvana disse...

Oi Paulo, tudo bom? Sou Silvana, escrevo de Brasília. Conheci um pouco da Expresso Rural por meio do Zeca Petry, que eu conheci por meio de Kleiton e Kledir. Adorei as músicas de vocês e, desde então, estou mostrando algumas para alguns amigos. Esse sapinho catarinense, o Flodoardo, está ganhando fãs também aqui no Planalto Central, sabia? Abraço!

Silvana disse...

Paulo, linkei o endereço do blog de vocês no meu, ok. O endereço do meu é http://esquinadasil.blogspot.com/.
Beijão!